PSICOPATIA E RELAÇÃO HUMANA

IMG_0025

Um dos grandes problemas das relações humanas, seja no âmbito familiar, profissonal, social, político e religioso, é quando nos tornamos presas dos manipuladores, que em raras exceções, não são em algum nível, psicopatas. O psicopata é aquele que está sempre em busca de uma presa, e é pobre de sentimentos verdadeiros, compaixão, empatia, e para o seu bel-prazer é capaz de imaginar, articular, maquinar e colocar em prática planos do mais absurdos.

Considerando que o número de psicopatas aumenta a cada minuto no planeta, a sociedade deveria estar mais informada sobre os mesmos, pois nem sempre eles são facimente identificados, porque são  acompanhados de uma certa dose de esquizofrenia, por isso, nem sempre é possível saber com qual lado da pessoa você está lidando – com a pessoa real, ou com o autor, um estranho travestido de alguma coisa, mas sempre pronto para burlar e justificar suas ações, ou ignorar tudo implacavelmente.

É bom salientar que os psicopatas podem se  tornar grandes líderes políticos, religiosos, gestores de empresas, vendedores, como tambéms uma simples pessoa, mas que também está à caça de suas presas.

Como agem desprovidos de sentimentos, são capazes de explorar os seus semelhantes e ainda fazerem festas nos bastidores, comemorando seus “êxitos” com ironia e desdém dos que se tornaram vitimas. Vibrarem, de forma inusitada e eufórica pessoalmente, sem nenhum remorso, porque desconhecem o que é culpa, e tem baixo nível de consciência moral e ética.

Você já observou certos políticos caras de pau, que são acusados de safadezas, desvio de verbas, propinas e nem estão aí para nada? Pois é, alguns desses têm perfil psicopático. Já observou, teve informações de certos líderes religiosos e outros que estão envolvidos com pedofilia. E outros enganando o povo e explorando de todas as formas sem compaixão, e ainda fica difícil para a polícia investigar? A psicopatia pode estar por trás.

Normalmente eles fogem de liderança compartilhada, se sentem bem como estrelas solitárias, para isso, se tornam autoritários e muitas das vezes arrogantes, preferindo se juntarem à constelação apenas para expor um certo narcisismo, misturado com sarcasmo. Eles são doentes, mas não sabem, e ninguém se atreve a confrontá-los, porque apagam com facilidade as marcas fatídicas que deixam, para apenas manifestar-se como alguém que conquistou o sucesso.

Se fosse para traçar um paralelo com lucifer, do contexto da teologia bíblica defendida por alguns, diríamos que ele foi um psicopata, um anjo de luz que conspirou para  ser como Deus, mas que, mesmo sendo expulso do celeste, manteve o seu perfil telúrico como Satanás, mas que pode se transformar em um anjo de luz. Isso ilustra muito bem, a mente do psicopata.

A mente psicopata, mantém todo um enredo ardiloso, como se fosse uma estranha sereia, ou melhor um – meio anjo, meio diabo, no contexto de um ser humano. Anjo, porque tem um poder de atração como se fosse um guardião do bem. Diabo, porque quando olhamos no fundo do seu abismo o vimos escarnecendo de suas vítimas e de quem procura lhe investigar. Apesar disso, não deixa de ser um ser humano com algum transtorno que precisa ser identificado e tratado adequadamente, cuja a recuperação é complicada. Por isso, aqueles que se envolveram com crimes hediondos, quando são livres, voltam ao crime com naturalidade. Quando aparece o menor sinal de tendência à psicopatia é hora dos parentes amigos aproximarem-se e propor ajuda.

Os psicopatas, além de frios, calculistas eles são dotados de uma sensacáo de grandeza, e para se manter na posição de superioridade são capazes de muita trapaça, de muita ação maquiavélica, de muita perspicácia.

Por isso devemos ficar atentos, ficar de olho para ver se  não conhecemos alguém que tem esse perfil, quem é vítima de gente desse perfil, ou se não estamos sendo observados como a próxima vítima.  Vítima indireta, acho que todos nós somos, porque eles enganam, a exemplo de Hitler, que enganou com discursos inflamáveis, como grande orador, mas levou  terror a milhares. Estar atento, perceber o perigo e não cair nas armadilhas, principalmente quando envolve dinheiro, manipulação de sentimento e subjugamento é  dever de todos.

(F. Meirinho)