NOITE CLARA

imanoiteclaraNa noite escura de indecisão,
Do desafio e da paixão,
Do compromisso e da ilusão,
Olhei ao meu redor e tudo estava enegrecido.

A luz do sol brilhava,
Eu sentia o seu calor, 
Mas, só não via a sua luz,
Porque o sonho não tem visão.

Pensei no que fazer,
Num instante um sino me acordou,
Meus olhos viram o que eu queria,
Transformou em alegria, o meu amanhecer.

Tornei a adormecer,
Acordei no silêncio da noite
Via tudo o que pensava:
A paz na guerra, o amor no ódio;
Água no deserto e sol em plena noite…

Nunca mais vivi nas trevas,
Sempre era dia claro; mesmo que fosse noite
A luz da sapiência chegou, 
A escuridão foi sepultada, 
Com o chegar da luz, na escuridão da minha própria luz,
A noite ficou clara…

(F. Meirinho)

ÁGUA

ÁGUA

imagotaA água se move num ciclo quase eterno
Evaporando, transpirando
Precipitando, escoando, transformando
Alimentando as vidas, diluindo
Vai

Sem preconceito, cruza as nações, povos
E nos rincões mais distantes
Sem perguntar, quem és, de onde vens
Qual a cor da tua pele, a religião que tens
Vai

Fazendo a terra, não se sentir inferior ao cosmo,
E nem a vida inferior à morte
Servindo de exemplo hermenêutico
Na interpretação do sentido da existência
Vai

Fluindo na figura de retórica,
Infiltrando-se na metáfora, sinédoque, metonímia,
Prosopopéia, ironia, hipérbole, alegorias
E antes de chegar ao mar, ainda questiona,
Onde estão as fábulas, enigmas, tipos,
Símbolos, parábolas, símiles

Onde estão os homens?
Que perguntam onde está água

– Estou no líquido na minha forma aparente,
Estou no sólido na minha forma travestida,
Estou no vapor na minha expressão de liberdade,
Estou nos lagos, no logos, na poesia

Estou, nos lábios, nas mentes
Daqueles que mostram grandiosidades,
Dos pequenos feitos e gestos, a exemplo de Tereza de Calcutá:
“Por vezes sentimos que aquilo que fazem
Não é senão uma gota dágua no mar,
Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota”.

Estou, no inconsciente coletivo
No adágio popular, que reitera sabiamente:
Só percebemos o valor da água, depois que a fonte seca”.
Mas, não sou só H2o

Sou a fonte inexaurível, além da fonte de Jacó,
De quem Cristo fez menção, à mulher samaritana:
Se beberes desta água, voltarás a ter sede,
Mas se beberes da água que eu te der,
Numa mais sede terás

-Vai
Preserve a água das fontes, dos rios, do mar
A água que sobe, que desce, que para, que corre
Que é símbolo, harmonia, sabedoria
Que é vida, manancial que aponta
Os segredos da vida nas dimensões…
Mesmo que sejam em pequenas gotas

F. Meirinho
https://fmeirinho.wordpress.com/