CONSCIÊNCIA POLÍTICA

images Brasil dignoO QUE NÓS BRASILEIROS PRECISAMOS FAZER depois que o STF votou contra a partipação financeira das empresas nos partidos e candidatos políticos?
Escolher um partido político, buscar a filiação e colaborar financeiramente, evitando que o partido do governo e seus aliados montem uma rede de cabos eleitorais com funcionários públicos e contratados temporariamente.
Feito assim, as aspirações da sociedade serão melhor representadas, porque, no modelo de participação empresarial, o voto vinha do povo, mas a representação concentrava no poder econômico de onde vinha o financiamento das campanhas.
A participação da população direta, através da filiação vai forçar a maturidade da democracia e da organização partidária, num alinhamento mais racional e democrático.
Aquela balbúrdia conhecida em que o cidadão sempre se sentia lesado ao votar, tanto em candidato quanto em partido pode estar com os seus dias contados.
Lesado como? Os partidos se aliançavam em alguns estados, cidades, etc. e em outros eram adversários. Uma loucura que só beneficiava partidos, seus candidatos e financiadores. A única fonte de ordem num estado democrático procede do povo, ou seja, de baixo para cima, do povo para o poder político, e para isso é necessário a partipação popular.
Uma regra que acho fundamental em uma democracia: PRIMEIRO SE ESCOLHE O PARTIDO, DEPOIS OS CANDIDATOS DO PARTIDO ESCOLHIDO. Evita-se, por exemplo, eleger um presidente comunista com uma população na sua maioria absoluta anticomunista. Isso ficou claro na formação do congresso na época. Quando Lula foi eleito presidente, votaram nele como presidente e nos seus adversários, no congresso. Aqui está a origem do mensalão: PARTE DO CONGRESSO FOI COMPRADA PARA QUE O GOVERNO PUDESSE GOVERNAR A SEU MODO.
Já que estamos falando em política; nós brasileiros não podemos esquecer que a presidente Dilma não errou sozinha, errou junto com todos os seus aliados partidários. Destaco aqui: com o seu mais relevante aliado – o PMDB, que agora na crise está se tornando grande adversário, mas contribuiu para que este vexame nacional acontecesse.
É importante saber: Nesta mine reforma eleitoral o congresso apoiou a contribuição financeira empresarial aos partidos políticos, com certa restrição, o que foi enviado para a presidência sancionar, o que talvez não aconteça, porque na atual conjuntura, apesar do mensalão e petrolhão, não é de interesse dos atualmente aliados, porque o caminho para o reino já foi alinhado, pela via paternalismo, clientelismo e “suditismo” – súdito. Por isso, muitos líderes do PT estão no momento contra esses financiamentos. Está explicado!
Só para lembrar: apesar da crise econômica, que eles já tinham consciência, antes das eleições de 2014, o gasto com bolsa família era de 12 bilhões, e saltou para 29 bilhões. Para que? Garantir a eleição dos atuais -presidente e vice.
Pense no seguinte: 13 milhões e 800 mil famílias contempladas pela bolsas – votariam em quem? Agora multiplique isso por 4, que são agregados, parentes e amigos dos beneficiados, que somam em torno de 55milhões; praticamente o número de votos que elegeu a atual presidente.
Na minha maneira de ver: todo cidadão brasileiro que está contra o atual governo e seu sistema de governar, não deveria votar em nenhum partido aliado na próxima eleição, porque eles são co-responsáveis por quase todas mazelas que estão acontecendo no Brasil, em tudo o que você sabe ou possa imaginar.
NÃO VOTAR EM NENHUM PARTIDO E/OU CANDIDATO ALIADO NAS PRÓXIMAS ELEIÇÕES SERIA UM SINAL DE FORÇA, COESÃO, INTELIGÊNCIA E CONSCIÉNCIA POLÍTICA DE CADA ELEITOR, de cada cidadão, mesmo que desagradasse alguns parentes e amigos, ou agremiações.
UM GRANDE VOTO EM FAVOR DA INTELIGÊNCIA DO ELEITOR É FAVORÁVEL AO BRASIL. Pense! (F. Meirinho)

Anúncios

CONGRESSO ACÉFALO

IMG_0066A corrupção, ganância a avidez pelo poder, pelo domínio das coisas, degradam, destroem e matam.
O governo do PT e seu maior aliado o PMDB, reitero, sem o apoio do qual não aconteceria as mazelas que todos nós conhecemos, obtinha a maioria no congresso, por isso, coisas absurdas para uma sociedade democrática foram aprovadas. Agora, que perceberam que houve um “rombo no navio” a maioria resolve sair do barco, para salvar a si mesma, formando um complô diabólico, desestabilizando totalmente o governo, contrariando-o mesmo naquilo que seria viável na conjuntura atual da economia, como o caso do aumento salarial de certas categorias do funcionalismo público, etc.
Ficamos entendendo melhor que o interesse maior da parte que migra para a oposição é interesseira, e como se diz – O bolo já foi todo fatiado e dividido, e não tem mais pra ninguém. Deveria sobrar o bom senso, como lição, de que o crime não compensa e ser legítimo representante do povo no interesse nacional, é o que deve caracterizar a vocação política.
Nem tudo o que o governo deseja no momento é mau, algumas medidas corretas estão sendo apresentadas. Os congressistas não devem agir como criança que chora, quando lhe é tirado um brinquedo de estimação e se torna irritada contra os seus cuidadores.
Essa parte inescrupulosa que continua representando seus próprios interesses egoístas, precisa ser confrontada e ter o repúdio da população.
Uma oposição consciente e inteligente é que estaria mais preparada para ouvir os verdadeiros anseios da população, mas o que vejo, não me causa surpresa, mas indignação – SIM. (F. Meirinho)

ANTES DE VOTAR PASSE POR AQUI

ANTES DE VOTAR PASSE POR AQUI

IMG_0066E considere o seguinte:

  1. Nos últimos anos o Brasil piorou,
  2. Em segurança individual – Mais de 50 mil pessoas são assassinadas anualmente, além de assaltos residenciais, seqüestros relâmpagos e roubos de veículos.
  3. Em segurança das mulheres – Mais de 50 mil mulheres são estupradas anualmente.
  4. Em segurança empresarial e institucional – São centenas de arrombamentos de caixas eletrônicos, um fenômeno raro em outros países, mesmo de terceiro mundo. Roubo de cargas, assaltos à empresas, queima de ônibus coletivos, o que está acontecendo nesses últimos dias, em vários estados e mais intensamente em Santa Catarina.
  5. No nível de corrupção. As mais conhecidas, que envolvem os mensalões, Petrobrás e outros grandes desvios de dinheiro que é de seu conhecimento.
  6. Saúde pública e privada. Na Saúde pública, quando se trata de buscar especialidade médica, onde o caso seria mais urgente, o paciente pode levar de 3 – 12 meses para ser atendido. Além disso, o sistema de saúde privada também. Muita gente precisa ir a justiça para garantir seu direito de assistência médica, em muitos casos.
  7. Sistema carcerário. Peque a sua calculadora e pense comigo: Some: 50 mil assassinatos + 50 mil estupros, + uns 200 mil crimes de outras ordens – corrupção, roubos, furtos, estelionatos, agressões -temos, assim uma soma de 300 mil crimes. Se pensarmos que em cada crime tem pelo menos mais uma pessoa envolvida, esse número dobra para 600 mil crimes por ano. Agora pasme! O Brasil tem encarcerado em torno de 550 mil presos, contra 2, 5 milhões de presos nos Estados Unidos. Mas tem ainda um porém – O sistema carcerário no Brasil está superlotado, isso que dizer que tem, segundo estatísticas o dobro de presos. O sistema carcerário suporta apenas uns 250 mil presos. Agora você vai entender dois fatores: 1. Por que os policiais prendem, e a justiça solta? 2) e, porque o governo e seus aliados não aprovam as leis para a menor, na maior idade penal? Resposta obvia! Não tem cadeia nem para os adultos, onde vão colocar os menores, que não basta prendê-los, é preciso programas inteligentes de reabilitação.
  8. Sistema político. Piorou, porque você vê uma “verdadeira orgia política” – direita, esquerda – ou melhor – capitalista, liberais, comunistas – todos juntos, unidos num mesmo ideal – chegar ao poder.
  9. O Brasil piorou na questão democrática. A população pede uma coisa, o governo mostra outra, com outros interesses. Ex. Os brasileiros foram às ruas pedindo mais saúde, segurança, educação, passe livre aos estudantes, etc. O governo calou a boca, oferecendo mais médicos. Mais médicos, como foi apresentado, não representa mais saúde. Hoje, na medicina moderna, não adianta médicos, sem sua estrutura – laboratório modernos e eficientes, boa estrutura física.
  10. Piorou ideologicamente. O grande desafio político e econômico para o mundo é buscar novas formas e modelos mais eficientes, e não voltar para o passado já superado. O governo do PT, com o seu principal sustentador político o PMDB, que a meu ver, ambos deveriam ser devidamente punidos nas urnas, vêem nos modelos – cubano, boliviano, venezuelano, argentinos, como exemplos. Em função disso, temos um descaso à democracia, que foi uma grande conquista dos brasileiros, que contempla em seu bojo – liberdade de expressão – imprensa, TV, rádio e livre manifestação individual. Liberdade religiosa, liberdade de ir e vir, etc.
  11. Piorou quanto à clareza democrática. Você assistiu a pouco tempo quando a candidata Dilma quis mostrar que no Brasil há apenas 6% de desempregados. Pense comigo, se houvesse apenas este índice, então porque quase 14 milhões de família recebe a famigerada bolsa família? Vamos às contas! Se você pensar em 14 milhões de famílias, considerando cada família com 5 membros, teremos 70 milhões de pessoas. Continuemos no raciocínio: 6% de 149 milhões de eleitores, – pessoas acima de 16 anos- representam 8, 9 milhões de pessoas. Neste caso, pensando a grosso modo, temos aí em torno de 20 milhões de pessoas que estão empregadas e são beneficiadas pela bolsa família. Essa forma de manter os pobres na pobreza, sobrevivendo pelas benesses do sistema arcaico de ideologia política é – eleitoreiro, arcaico, desprezível e perverso.
  • Se você, meu amigo, deseja que o Brasil continue piorando, então vote no governo e seu sistema que aí está. Agora, se quiser usar o mínimo de inteligência, e ver o Brasil melhorando, então faça como eu farei – Fora, não somente o PT, mas também o PMDB. Pode ser, que os que vão assumir o novo governo não melhore muito, mas se parar de piorar, já me darei por satisfeito.

Espero ter contribuído para que você possa dar melhor qualidade ao seu voto.

Não venda o seu voto – os canalhas também morrem – mas o Brasil continua.

Que país queremos deixar para os nossos filhos e netos? Você decide!

Abraço a todos!

Saiba mais:

http//fmeirinho.wordpress.com

EM QUEM E COMO VOTAR?

EM QUEM E COMO VOTAR?

imagesvotoO sistema político brasileiro impede definitivamente que o cidadão minimamente coerente opte por um partido político. Ele é irracional, incoerente e visa apenas que certos políticos use dele como trampolim para chegar ao poder.

Você já parou para ver quem são os partidos aliados do PT, PSB, PSDB, dos respectivos três principais candidatos à presidência? Já! O detalhe é o seguinte: Alguns deles são aliados na esfera federal e, adversários na esfera estadual! Entendeu a balbúrdia? Você já viu – comunistas, liberais, socialistas democráticos, capitalistas todos sentados à mesma mesa? Se isso fosse um prato seria um mistura de – picanha, carne de pescoço, peixe, melancia, laranja abacaxi ao molho de vinagre, mel, pimenta do reino, uma colher de sal e uma de açúcar. Você encararia esse prato? É o que nós brasileiros teremos que enfrentar nas próximas eleições. Você vai dizer: Mas eu escolho pessoa apenas: Bem, esta pessoa faz parte do prato!

O PT, conforme sabemos da parte dos cientistas políticos é um partido de ideologia marxista, mas que cresceu no Brasil com apoio do PMDB, que se tornou um partido oportunista, esquizofrênico que vende a alma, a inteligência, tudo, só pelo fato de ter parte da fatia do bolo do poder. Se Ulisses Guimarães soubesse!

O eleitor precisa saber que, se não fosse o apoio que o PMDB deu ao PT, jamais se firmaria no poder, e jamais teria avançado com os seus ideais marxista: como o apoio ao Castrismo de Cuba, Chavismo da Venezuela, desarmamento dos civis, e outras aberrações. Marina Silva, também está metida na mesma confusão ideológica, apesar de pessoalmente pertencer a uma religião conservadora, isso não representa que ela também não esteja comprometida com ideologias que contrariam valores da família e liberdades democráticas – como liberdade de expressão, imprensa, religião, etc. Aécio Neves, do PSDB, partido do ex- presidente Fernando Henrique, também é de esquerda, mas, vem atuando em defesa da democracia, até onde é possível acompanhar.

Na minha forma simples e objetiva de ver política e na maneira de refletir sobre o Brasil, o vejo politicamente confuso, em função do modelo que se fundamenta e da falta de interesse e conhecimento político, tanto da população, quanto dos candidatos. Considerando-me como um defensor da democracia plena, sair do PT da Dilma e do Lula seria o primeiro passo. ir em direção a Aécio Neves, seria o segundo passo, e caso se mantenha o quadro de segundo turno entre Marina Silva e Dilma, então a opção será Marina, com a provável adesão de Aécio – PSDB – e seus aliados. Se o grupo da Marina manter pelo menos – a social democracia, isso garante ao Brasil a permanência dos direitos democráticos. O ideal para o eleitor é tentar votar nos deputados e senadores do mesmo partido do candidato ao governo, ou,  não sendo possível, pelo menos, na mesma coligação partidária. Assim procedendo fica garantido a governabilidade, e se evita um pouco o conchavo, do tipo que gerou o mensalão do PT, para que o governo tivesse maioria no senado e congresso. Maioria, por conluio é uma devastação, uma espécie de ruína para a democracia. Você poderia imaginar quantas coisas absurdas foram aprovadas com base no mensalão? Tudo o que foi aprovado na época no congresso/senado, por influência de corrupção deveria ser cancelado.

Uma reforma política era o ideal para o Brasil, mas como isso depende do congresso, e o congresso por sua natureza é ambíguo, a confusão e estado babilônico que se encontra representa bem o que pensam em conjunto.

Portanto, cabe a cada cidadão pensar bem e fazer a melhor escolha. Talvez testando novos políticos, que ainda não estão contaminados pela idiotice político-partidária.

Considerando que o atual sistema é acéfalo, e que apesar de votarmos, os políticos, como tenho dito – na ordem representam o seguinte: Primeiro, os mesmos, estão comprometidos com os seus partidos. Ex. Quem está em partido de direta que defende privatizações, tem que considerar aquele que tudo quer estatizar. Depois, representam os seus patrocinadores e, se sobrar um espaço – desde que não contrarie o macro interesse – sobra o eleitor. Estatizar e privatizar o que? Isso, quem deveria optar seria a própria democracia, com direito a fiscalizar, cobrar. É bom não esquecer dos escândalos da Petrobras.

Lembre-se: Tudo é confuso, e todas as instituições ficam contaminadas, envolvendo segurança, educação, religião, saúde, etc. – em um país que o sistema político é irracional e arbitrário. É por isso que dizemos, ou pensamos que – todo político é igual – porque um político por mais sério e idealista que seja se tornará conforme o modelo que encontra – A massa maior, atrai a massa menor. Apesar disso é preciso se fazer representar por políticos que ainda não se contaminaram, ou por novos que estejam prontos para se lançar no grande desafio de representar a vontade do povo. Uma opção seria votar em partido em quem o eleitor tem alguma afinidade ideológica. Está ligado à partido que vem de encontro com o seu pensar e que esteja menos comprometido com patrocinadores, fora desse círculo, já é uma avanço.

Espero que o Brasil tenha nas próximas “safras”, políticos coerentes, inteligentes, idealistas e que não coloquem o poder, seus interesses pessoais, nem seus patrocinadores em primeiro lugar, mas sim, o Brasil, seu destino, seus valores e sua democracia. (F. Meirinho)

O BRASIL PERDEU!

O BRASIL PERDEU!
Imaolho“O Brasil não perdeu, quem perdeu foi a seleção brasileira”. (Chico Pinheiro – no Bom Dia Brasil em 09/07/14)

O mundo social está fundamentado em forças antagônicas, num movimento de racionalidade e irracionalidade, lógico e ilógico, mentira e verdade. Não há verdade absoluta em nada e em ninguém, no sentido tangível, por isso o absoluto é um desconhecido da mente humana, embora seja melhor identificado no universo, e em parte alcançado por alguns, do ponto de vista metafísico. Talvez por isso a magia do futebol ganhou o coração da maior parte da humanidade, onde o lógico e o ilógico convivem bem, não só nos campos de gramados, mas nos campos mentais, porque, neste caso os semelhantes se atraem, sob a égide da identificação casual.
Cada vez que vejo uma bola batendo no travessão, um pênalti dado, dependendo da visão, interpretação das regras em fração de segundos, sem considerar eventual tendência da arbitragem; sem contar com os impedimentos dos jogadores, que consideram – linha da bola e adiantamento do jogador sobre o adversário, que pode ser definido por uma parte do dedão do pé adiantado, e que dependendo dessas nuances pode resultar em gol, logo entendo quanta sabedoria e idiotice se misturam no mesmo jogo. Mas, isso reflete muito o que sou, e o que somos – sábios ignorantes, que vivem no mesmo campo, onde uns, mal têm para comer, e colocam toda a sua economia para assistir, e outros ganham milhões só para exibir.
Olho para os procedimentos políticos, as relações sociais, as aberrações na administração dos bens públicos, as práticas religiosas esquisitas onde o profano e o sagrado se misturam em todas as religiões. Ninguém se salva, nem evangélico, nem católico, nem crente, nem ateu, “nem grego nem bárbaro”, nem santo e nem pecador. Aí me pergunto! Qual o desafio? Vencer o mal com o bem, me respondo.
Há no fundo do túnel, creio, uma luz, uma referência – Vencer! Certamente, não completamente, mas até chegar a um ponto de equilíbrio, porque, entendo que não há espaço no mundo presente para o triunfo absoluto da verdade, do amor, da honestidade, etc.
Já pensou, se você acordasse amanhã cedo, com todas as pessoas sendo sinceras e falando a verdade sobre tudo que fazem e sabem? Agindo com sabedoria e lucidez! Não seria uma verdadeira loucura? Haveria muito desemprego! Hospitais, laboratórios, partidos políticos, instituições religiosas, fabricantes de supérfluos, etc. Instituições militares com número reduzido de funcionários, ou fechados por falta de atividade.
O mundo não está preparado para viver só com base no bem! Mas, pode viver melhor buscando o equilíbrio, com mais conhecimento, lucidez, participação, tolerância e amor, sobre o que é melhor para a sociedade, rejeitando os elementos manipuladores e nocivos à sociedade que o permeiam em todos os segmentos.
É com base nesta reflexão que posso concordar com Chico Pinheiro – “quem perdeu, não foi o Brasil, mas a seleção brasileira”. E quando nos referimos a perder e ganhar, não devemos furtar nossa consciência no sentido de admitir que o Brasil, do ponto de vista social e político vem perdendo em vários campos: Perdemos mais de 50 mil vidas que são assassinadas por ano, numa média de 136 pessoas por dia. Para resumir, estamos perdendo: Nossos jovens para as drogas; nosso dinheiro para a corrupção de todos os naipes; nossos valores morais; nosso ensino de qualidade; nossos professores, pela violência escolar e por falta de salário digno; nossa liberdade de expressão; nossa liberdade de ir e vir, por falta de punição aos marginais que roubam e matam, e por falta de sistema judiciário e penitenciário adequados; nossa habilidade de votar de forma consciente, causada pela promiscuidade partidária, porque os partidos políticos se aglutinaram conspirando contra os eleitores nas suas alianças espúrias, só visando o poder político e, finalmente – estamos perdendo o maior bem político – nossa democracia, que nos permite o direito às liberdades saudáveis, no agradável convívio social, com todas as raças, etnias e religiões.
O “Brasil” que perdeu nos gramados, não precisa perder nos outros campos. Se alguém estava se servindo do ilógico para driblar o lógico que é a consciência sobre o porquê que o Brasil está perdendo quanto ao que é mais essencial, poderá se surpreender nas próximas eleições quando todo o Brasil adulto irá à campo para ganhar de fato e de verdade, depositando nas urnas seu voto consciente em busca de um Brasil de equilíbrio entre a força do bem e do mal.
Neste sentido reitero o alerta: Não basta votar em pessoas, é preciso identificar os partidos políticos e seus aliados. Lembrando sempre que, no atual sistema político, que há resistência para ser mudado, os candidatos continuam tendo, na ordem o seguinte comprometimento: 1. com os seus partidos; 2. com os seus patrocinadores; 3. com os seus eleitores. A escolha mais inteligente é escolher o partido que melhor se identifica com a sua maneira de pensar políticossocial, depois escolha o seu candidato. Isso fará diferença para se ter um Brasil melhor, considerando que a maioria dos brasileiros é norteada por bons princípios.
Seremos grandes no futuro, se não pensarmos pequenos no presente. Este Brasil que sonhamos, que seja vencedor sobre as mazelas que aí estão, não apelando por sua torcida, mas pela sua consciência de cidadão.
O Brasil perdeu? Pode ser que tenha ganhado, mas ainda não temos consciência!

Francisco Meirinho

EU ESTAVA ENGANADO

Imamanifesto1Olhava para a situação lamentável das políticas públicas do Brasil. Hospitais se deteriorando, corrupção em todas as camadas políticas, a saúde pública morrendo, a educação em má condições: Estrutura, professores mal remunerados, cursos universitários visando apenas o financeiro, etc, e diante de tudo isso, parecia que a sociedade estava paralisada, apática.

Estava enganado!

Os nossos jovens, me dava a impressão, que tinham optado pela indiferença total, do ponto de vista de sua participação política, e optado pelo hedonismo: trabalhar para gastar no prazer. Parecia que uma parte tinha se definido, apenas ao amor ao futebol, novelas, baladas, álcool, drogas, músicas sertanejas/universitárias, forró, funk, etc.

Do outro lado, os puritanos, os católicos, os evangélicos, religiosos de todos os naipes, uns achando que esse era o grande carma, e outros pensando que as coisas estão assim porque Deus, ou os deuses estavam permitindo, achando que a solução de tudo estava na divindade, na liturgia, nas rezas, nas orações e que o Deus dos céus resolveria todas as mazelas políticas e sociais, a seu tempo.

Estava enganado.

Na mídia social, pouco se via de mensagens intervenientes de cunho político-social. Então, lamentava e pensava: Se os adultos estão desistindo da luta democrática, e os nossos jovens optam pela indiferença, nosso futuro é sombrio. Porque a democracia que é exposta, não representa a vontade do povo. Democracia em que o “demo” é governado/manobrado pela “cracia” de uma classe dominante, é ditadura cruel.

Estava enganado.

Hoje pensei: de onde surgiram toda estas manifestações? Dos 20 centavos, não. Jamais pensei que 20 centavos simbolizasse tanto! Por trás de uma pequeno valor, estava um grande símbolo, de onde partiram a exposição das várias causas. Será que os 20 centavos representavam um fragmento do conteúdo reprimido? Era necessário, pela timidez contida, que a grandeza da manifestação começasse por um pequeno valor, mas mostrando que toda ruína política brasileira está relacionado ao dinheiro?

Continuei pensando: Estamos vivendo na profetizada aldeia global, e os jovens são mais suscetíveis às transformações. Mas, os jovens em outras partes, estão sem perspectivas de futuro, considerando as ondas funestas da economia global.

Continuei pensando: É a nova onda do mal-estar da civilização, que deixa de ser coisa do velho continente para envolver todo o planeta, porque apesar das misérias no mundo, há um percentual privilegiado que, não importa como: Trapaceando, corrompendo, enganando, usando qualquer instrumento – falsas promessas, mentindo em nome de qualquer coisa – direitos humanos, religiões, e várias formas de Ongs – tudo com o mesmo fim – forjar, enganar, buscar enriquecimento, à custa dos mais fracos.

Estava enganado.

De repente aparece uma multidão de pessoas  indignadas, que abandonam a passividade e resolvem dizer – Acordamos! Estamos vivos! Estamos aqui! Queremos justiça! Estamos contra as mazelas e o menosprezo que se está dando aos menos favorecidos, a tudo o que é essencial à vida.

E os vândalos! Qual é o recado que deixam? Depredação, roubos? Eles, apesar de deixarem o que repugnamos, dizem inconscientes: Somos o resto, somos os esquecidos, os marginais que o sistema sócioeducacional não está atingindo. De qualquer forma, todos se expressaram – uns conscientemente defendo causas, e outros apenas mostrando o que são. Ainda bem que foi a minoria, porque a maioria exercia com inteligência a sua cidadania dentro dos direitos legítimos.

A maioria é jovem.

Eu estava enganado.

F. Meirinho

O BRASIL PERDEU O BONDE

ImabondeO povo ficou na expectativa durante os últimos 10 anos para ver o que os governos e os políticos fariam com o Brasil, enquanto o bonde da prosperidade passava nos trilhos dos emergentes.

Dá-nos a impressão que a classe política, no lugar de investir no Brasil, no povo, resolveu investir no poder. Parece que, garantir o poder era o maior trunfo. Em função disso, muitos programas eleitoreiros foram articulados, que envolveram milhões e fez a dívida pública duplicar.

Parece que o bonde passou e o povo percebeu que não será mais contemplado.

A infraestrutura parou, a saúde pública piorou, a segurança se tornou insegura, a educação estagnou, e o povo acordou assustado.

Assustado, resolveu protestar, sem saber bem, qual o ponto a ser focado: Saúde, segurança, corrupção, estranhas manobras no congresso, educação, infraestrutura, verba da união  na construção dos estádios? O futebol sempre foi um elemento alienador, mas o povo está dizendo que esse tempo passou.

Se manifestar contra o quê? Se fosse para manifestar contra tudo, poderia não ter efeito, aí resolveu pegar um ponto, não muito interessante, comparado com outros grande problemas – o preço das passagens de ônibus. Talvez inconscientemente, ouvindo a voz do coração, pensou: vamos começar por aqui. Agora, outros elementos estão sendo inseridos.

As manifestações populares pacíficas são grandes ferramentas que a população pode usar para chamar a atenção dos governos e políticos, mas é preciso que, sejam convergidas para as urnas, a fim de mostrar, de forma mais contundente sua consciência política.

No Brasil, quando o interesse do povo, não se afina com o interesse do poder, como no caso do impeachment de Collor, as manifestações pacíficas acabam não demonstrando muita força, por isso, os manifestantes precisam demonstrar este protesto na hora do voto, seguindo o exemplo de países que alcançaram um patamar social mais condizentes com os seus anseios.

Hoje, as manifestações no Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte e São Paulo, pode ter mostrado um pouco, duas coisas: a desesperança dos brasileiros no sistema político vigente, e, que, a população precisa com urgência, reagir, acordar-se para a realidade.

O Brasil pode ser melhor, se a população utilizar a força que a democracia lhe garante. Para isso, deve pagar o preço da conscientização e participação, fugir da alienação política, produzida pelo conformismo políticossocial, advindo de idéias filosóficas e religiosas retrógadas, que mantém o povo cheio de otimismo enganador e distante da realidade pessoal e nacional. Este conhecimento, não obstante ser doloroso, mas é o que pode produzir responsabilidade, consciência, libertação e progresso. Pense!

(F. Meirinho)